Edição 309Outubro 2020
Quarta, 25 De Novembro De 2020
Editorias

Publicado em 19/11/2020 - 7:11 am em | 0 comentários

Divulgação

Instituto ABCD divulga carta aberta “Precisamos falar sobre a dislexia”

Dislexia: metas para educação 2021

Instituto ABCD divulga carta aberta “Precisamos falar sobre a dislexia”

“A dxisleia é o trnorsanto de arnepaizdo mais frneqete no Brsail, aftaendo dtraemnite o dnesevlvoimteno de habdlidie de lietrua, escirta e mtaeamcita”

Para quem teve dificuldade para ler a frase acima, é importante saber que mais de 7,8 milhões de pessoas no país têm dislexia e enfrentam dificuldades semelhantes na leitura. Estima-se que esse seja o número de pessoas disléxicas no Brasil, o que corresponde a cerca de 4% da população.

Para sensibilizar ao problema, o Instituto ABCD divulgou uma carta aberta, intitulada “Precisamos falar sobre a dislexia”. Segundo a entidade, a maioria das pessoas disléxicas é subdiagnosticada e negligenciada no atendimento de suas necessidades educacionais específicas por ausência de políticas públicas, acesso precário à educação inclusiva e falta de conscientização social.

“O ano de 2020 tem sido desafiador para a sociedade em vários aspectos, entre os quais, a educação é um dos maiores pontos de atenção das famílias durante a pandemia”, afirma porta-voz do organização: “Por isso, para nós, este cenário abre espaço para fortalecer nosso trabalho de apoiar brasileiros e brasileiras com dislexia”.

Estas são as metas do Instituto ABCD para 2021:

Ampliar informação. Disseminar o conhecimento sobre a dislexia, compartilhando ainda mais informações que reforçam a necessidade de implementar políticas públicas que valorizem o uso de ferramentas educacionais inclusivas; e estimular mais estudos e trocas com instituições e pesquisadores internacionais para acelerar trabalhos de educação favoráveis ao aprendizado de pessoas com dislexia;

Ampliar formação. Atrair apoiadores para o programa de formação de professores “Todos aprendem”, visando a fortalecer práticas pedagógicas que favoreçam a aprendizagem de todos os alunos, inclusive aqueles com dificuldades de aprendizagem. Já capacitamos mais de 16 mil professores em sete anos e, para o próximo ano, definimos a meta de dobrar esse número;

Ampliar parcerias. Atrair parceiros e centros de referência com o objetivo de multiplicar o conhecimento de qualidade sobre a dislexia;

Ampliar alcance de soluções. Levar o aplicativo EduEdu, uma das principais ferramentas digitais de apoio à alfabetização e que tem sido bastante útil para as famílias durante o isolamento, para mais pessoas em todo o Brasil. Atingimos 250 mil downloads em 10 meses e temos como meta ultrapassar a marca de 1 milhão de usuários até o final de 2021, firmando o app como uma ferramenta eficaz para o apoio ao ensino.

Responder