Edição 328Maio 2022
Sábado, 25 De Junho De 2022
Editorias

Publicado em 1/07/2021 - 10:26 am em | 0 comentários

Divulgação

Exposição foca relação entre arquitetura, arte e tecnologia

Vetor Vivo, de João Diniz

Exposição foca relação entre arquitetura, arte e tecnologia

Apresentando 10 esculturas, além de toda a produção do arquiteto João Diniz, e um filme sobre a sua relação com a arquitetura do aço, a exposição Vetor Vivo será lançada online no próximo dia 9, com o objetivo de destacar a estreita relação entre a arquitetura, arte e tecnologia. Criada para celebrar o Dia Nacional do Aço, comemorado em 9 de abril, a exposição estava prevista e chegou a ser anunciada como um dos projetos do MM Gerdau para 2020, mas precisou ser postergada em função do avanço da pandemia e do fechamento do museu para visitação física.

Para se adequar ao isolamento social, o museu passou a oferecer toda a sua programação de forma online e com a exposição não será diferente. Caso o MM Gerdau reabra suas portas para visitas presenciais durante o período em que Vetor Vivo estiver em cartaz, o público terá a oportunidade de conferir todas as obras de perto.

A estrutura montada para a sua realização online garantirá uma perfeita apreciação, permitindo mergulhar por este universo conduzido pelo experiente e premiado arquiteto. Vetor Vivo poderá ser visitada virtualmente no perfil do MM Gerdau na plataforma Google Arts&Culture, e também será tema de um dos roteiros das visitas virtuais mediadas pelo setor educativo, oferecidas semanalmente ao público.

A exposição apresenta esculturas em aço como forma de materializar a composição de ideias espaciais, sejam elas artísticas ou arquitetônicas. Por este motivo, são determinadas pelo autor como es.cult.trut.uras. Esse diálogo entre as duas áreas é um elemento muito presente nos trabalhos de João. As esculturas apresentadas por ele foram construídas a partir do aço fornecido pela Gerdau e foram concebidas de formas experimental e gestual a partir de maquetes em madeira. O arquiteto optou por trabalhar o aço de forma livre, comprometidas com as geometrias poliédricas. “Os espaços construídos geralmente surgem a partir de uma ordenação inicial que os mantém rígidos, funcionando como o esqueleto básico que determina sua forma. À essa ordem estabilizante se dá o nome de estrutura, concebida a partir de preceitos geométricos onde o peso da edificação é conduzido ao solo através de linhas de força que correm por elementos físicos também chamados de vetores”, explica João ao justificar sua escolha por um sistema criativo mais fluido, fugindo do convencional tradicional ao longo do processo.

De acordo com ele, “as peças retilíneas ou vetores estruturais podem ganhar vida a partir de uma manipulação, ao mesmo tempo, racional e intuitiva do aço, o que permite realizar tanto esculturas lúdicas e imaginárias, quanto edifícios reais e duradouros”. Essas duas formas de composição se completam, revelando uma versatilidade que pode ganhar vida a partir de uma manipulação, ao mesmo tempo, racional e intuitiva.

Dentre as imagens que poderão ser conferidas pelo público estão obras em aço realizadas pelo escritório João Diniz Arquitetura, em diferentes escalas e temas programáticos. Os edifícios apresentados no filme que faz parte da exposição mostram uma extensa variedade de possibilidades da construção metálica, buscando uma forma própria de interpretar esse sistema construtivo. Esse filme de 24 minutos de duração, que integra a experiência, convida o espectador a fazer uma imersão pelos principais projetos executados por João ao longo de sua carreira utilizando o aço como matéria-prima. Dessa forma, o filme não se apresenta apenas como um complemento à exposição, mas como parte fundamental para a compreensão da mesma uma vez que estabelece um paralelo entre as estruturas expostas no museu (que sugerem uma espécie de arquitetura futura) com o real, demonstrando o que já foi construído. O autor possui inclusive uma estreita relação com o audiovisual, colecionando uma vasta produção como realizador, que pode ser conferida em seu canal no YouTube em www.youtube.com/user/joaodiniz/videos

A obra audiovisual criada para a exposição Vetor Vivo é uma produção de Daniel Ferreira e Bel Diniz e a trilha sonora é assinada por Pterodata – arquitetura dos sons, um projeto colaborativo criado por João Diniz com a participação de diversos outros criadores.

Responder