Edição 309Outubro 2020
Quarta, 25 De Novembro De 2020
Editorias

Publicado em 5/11/2020 - 7:06 am em | 0 comentários

Divulgação

Campanha visa reduzir mortes por parada cardíaca no Brasil

Treinamento e tecnologia para agilizar primeiros socorros

Campanha visa reduzir mortes por parada cardíaca no Brasil

A Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp) lançou campanha para incentivar a população na luta contra mortes por paradas cardiorrespiratórias e conscientizá-la que todas as pessoas podem ajudar a salvar vidas. Atualmente, no Brasil, ocorrem 720 mortes por parada cardíaca por dia, ou seja, um óbito a cada um minuto e meio, 259 mil vidas perdidas em um ano. O objetivo da entidade é reduzir esse número a zero. Para isso, a ação contempla também um vídeo repleto de informações sobre ressuscitação cardiopulmonar, além de postagens em mídias sociais.

O presidente da Socesp, João Fernando Monteiro Ferreira, defende que com a ajuda de todos será possível criarmos um mundo sem parada cardíaca no futuro: “É preciso acreditar que juntos somos mais fortes e que podemos fazer isso. Se treinarmos muitas pessoas para que saibam fazer massagem cardíaca com efetividade até o socorro médico chegar, já aumentaremos em 30% a chance de sobrevivência da vítima. Hoje, a tecnologia de drones também nos permite colocar desfibriladores nesses aparelhos para chegarem mais rápido aos locais necessários, além da existência de aplicativos que mostram pelo GPS onde há desfibriladores externos automáticos, essas ações em conjunto trarão respostas mais ágeis e um atendimento de emergência mais rápido”.

A campanha também ressalta a importância de treinar o sistema de saúde para que os profissionais apliquem imediatamente a ressuscitação cardiopulmonar e a desfibrilação. “A estratégia é derrubar muros, trazendo pessoas que nos ajudem a salvar as vítimas. Com isso o número de hospitalizados pode diminuir, sendo internados apenas aqueles que realmente precisam ser monitorados. Evitar paradas cardiorrespiratórias que não precisam ser resolvidas em hospitais é também o nosso começo. Teremos um modelo de atendimento de ressuscitação para cada paciente, aproveitando a tecnologia mais recente para identificar e tratar as causas, devolvendo esta pessoa viva a sua família”, explicou o coordenador dos Cursos da American Heart Association (AHA) na Socesp, Agnaldo Piscopo, ao acrescentar: “Sejamos ousados, busquemos o inesperado para que tenhamos um resultado memorável e, assim, começaremos a ver os números diminuírem. Não vai ser rápido, sabemos disso, mas sabemos que toda vida que está sendo salva conta”.

O vídeo pode ser acessado em https://youtu.be/Ke-r313C0hc

Responder