Edição 320Setembro 2021
Sábado, 16 De Outubro De 2021
Editorias

Publicado em 16/09/2021 - 6:55 am em | 0 comentários

Carlos Nogueira/Secor-PMS

Cadeia Velha será transformada em polo dos cursos do Fábrica da Cultura 4.0

Autoridades visitaram as instalações

Cadeia Velha será transformada em polo dos cursos do Fábrica da Cultura 4.0

O edifício da Casa de Câmara Cadeia Velha, no Centro Histórico de Santos, irá receber os cursos do Fábrica da Cultura 4.0, para formação nas áreas de cultura e economia criativa. O projeto é gerenciado pelo governo do estado e contará com apoio da prefeitura de Santos.

O anúncio foi feito pelo secretário de Cultura e Economia Criativa do estado de São Paulo, Sérgio Sá Leitão, durante a entrega das obras de restauração das fachadas do prédio do Museu do Café, também localizado no Centro Histórico. No período da tarde, o secretário visitou as instalações da Cadeia Velha acompanhado do prefeito Rogério Santos e autoridades municipais.

Segundo Leitão, o 4.0 é uma expansão dos cursos de artes já existentes, que agora também vão dispor de mais oportunidades de formação nos segmentos de tecnologia, inovação e economia criativa: “Além das linguagens tradicionais como artes cênicas, música, audiovisual e circo, nós também teremos aulas de programação, robótica e animação”.

O prefeito Rogério Santos ressaltou o trabalho conjunto entre o estado e a prefeitura, que vai gerar renda e conhecimento, principalmente aos jovens em estado de vulnerabilidade social. “Estamos trabalhando sempre para conectarmos a política pública à gestão. Este é mais um bom investimento para Santos, e que, com certeza, vai complementar todo o nosso trabalho que já é feito na área da cultura e economia criativa”.

A proposta da Fábrica da Cultura 4.0 inclui em seu projeto educacional o foco para a “quarta revolução industrial”, impulsionada pela convergência digital e pela economia criativa. No local, artes presenciais e digitais darão corpo para propostas de formação e estímulo à criatividade, inovação e tecnologia. Segundo a secretaria de Cultura e Economia Criativa do estado, este mesmo conceito será adotado em todas as unidades futuras e também nas já existentes. A primeira unidade 4.0 será aberta em outubro, em São Bernardo do Campo.

A Casa de Câmara Cadeia Velha, localizada na Praça dos Andradas, teve sua construção iniciada há mais de 180 anos. Tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional (Iphan), em 1959, a Cadeia Velha foi considerada, segundo os relatórios da entidade, “de grande valor arquitetônico residente no fato de possuir elementos que a qualificam em São Paulo: tamanho, volume, material e época de construção. É uma das primeiras expressões arquitetônicas das novas ideias da organização do Brasil como unidade independente”.

Ao longo da história, a edificação serviu como quartel e hospital durante a Guerra do Paraguai, além de ter sido utilizada para abrigar o fórum, câmara, delegacia e museu. Em 1981, passou a ser ocupada pela Delegacia Regional de Cultura, transformando-se na Casa da Cultura do Litoral. A partir de 1994, o prédio começou a abrigar a Oficina Cultural Regional Pagu, que promoveu cursos que formaram centenas de artistas da região. Desde 2018, o local passou a ser sede da Agência Metropolitana da Baixada Santista (Agem), que será transferida para outro local.

“A Cadeia Velha é fundamental para cultura da nossa cidade, pois possui também um caráter de fundo sentimental muito grande para toda classe artística. Nada é mais simbólico do que voltar a transformar as celas de uma cadeia desativada em espaço de libertação do pensamento, da criatividade e da essência humana”, comentou o secretário municipal de Cultura, Rafael Leal.

Responder