Edição 271Agosto 2017
Sábado, 23 De Setembro De 2017
Editorias

Publicado na Edição 263 Dezembro 2016

Acervo FAMS

O projeto da nova Alfândega

Desenho original do projeto da nova Alfândega, de 1924. Obra seria custeada pela Companhia Docas de Santos

O projeto da nova Alfândega

A instituição “Alfândega de Santos” é uma das mais antigas da cidade, criada ainda nos primeiros momentos da colonização, em 1550, sendo a terceira do país (atrás apenas de Salvador-BA e da nossa vizinha, São Vicente). Por séculos, funcionou em instalações modestas e até precárias, até que na segunda metade do século 19, com o fortalecimento do Porto de Santos, passou a abrigar um imponente edifício construído no local onde existiu o antigo Colégio dos Jesuítas.

Esta edificação cumpriu bem seu papel entre 1880 e 1924 e, apesar de relativamente nova, foi demolida, para dar lugar ao atual prédio da Alfândega, cuja construção se inicia em 1925, custeada pela Companhia Docas de Santos.

Enquanto a instituição funcionava provisoriamente no armazém externo 14, o edifício, de cinco pavimentos, construído em estilo neoclássico, com influência no art decó, surgia imponente diante da Praça da República, com seus 12.350 metros quadrados de área utilizável. Um colosso!

Revestido externamente por granito e cimento brusco, internamente a edificação é feita de um terço de mármore, importados da Espanha e Itália, com desenhos de estrelas de oito pontas no mosaico do piso do salão. Foram utilizados cerca de 122 mil quilos de ferro em sua estrutura. Somente nas portas, portais e grades, foram gastos 44.000 quilos de ferro. Na instalação elétrica foram usados 28.000 metros de fios condutores. O encortinamento consumiu 1.400 metros de pano. Esses dados superlativos encantavam a todos, tanto quanto a beleza dos vitrais instalados no saguão principal, obra da famosíssima Casas Conrado, onde dominam as Armas da República.

Depois de praticamente dez anos de obra, a nova Alfândega foi solenemente inaugurada em 19 de novembro de 1934, contando com a presença do então ministro da Fazenda, Dr. Arthur de Souza Costa. A Praça da República e imediações ficaram repletas de gente, entre curiosos e santistas orgulhosos pode terem ganho mais uma bela edificação, que se tornaria referência no país.

O prédio viria a ser restaurado em 1999, em obras que duraram quase quatro anos. Atualmente, o prédio necessita de uma manutenção externa, para voltar ao seu esplendor natural.

Conheça o trabalho desenvolvido pela Fundação Arquivo e Memória de Santos: acesse o site www.fundasantos.org.br