Edição 294Julho 2019
Quinta, 22 De Agosto De 2019
Editorias

Publicado na Edição 294 Julho 2019

Mais que boa vontade!

Nelson Tucci

Independentemente de você amar ou odiar a terra do Tio Sam, o fato é que a Embaixada em Washington não é um brinquedinho. Simpatias ou antipatias pelo atual inquilino da Casa Branca também não tiram o gigantismo do país. Maior economia do mundo, com PIB de US$ 22 trilhões, os Estados Unidos são um oceano de oportunidades e por esta mesma razão precisam ser vistos e tratados com muita habilidade diplomática. O jogo político é bruto e o econômico ainda mais. O Brasil, com pouco mais de 10% do PIB nominal deste importante parceiro comercial, precisa de vivacidade… ou da tal inteligência emocional em larga escala. Não dá para fraquejar diante do atual gigante planetário. Não é possível ter encontros furtivos com sua elite dirigente, seja no campo político ou no econômico. Necessário se faz uma política firme, de altivez diplomática e, sobretudo, de indubitável independência. Não é crível pensar que uma patricinha a caminho de Beverly Hills errou o caminho e foi parar em Washington. Tampouco, num garoto que gosta de comprar mimos em Miami e fazer hambúrgueres, ter adquirido a passagem errada e descido na capital para ali morar e representar o seu país. Relações internacionais são um tema seríssimo, particularmente em uma época de transição pela qual passa o planeta. Há que ter preparo. O discurso de “ops, foi mal aí”, alegando que o navegador errou o caminho das Índias, não cabe mais em tempos de GPS. Sim, é preciso muito mais que boa vontade!