Edição 275Dezembro 2017
Segunda, 18 De Dezembro De 2017
Editorias

Publicado na Edição 271 Agosto 2017

Divulgação

Imóveis populares apresentam defeitos na construção

Inspeção em contratos envolveu 1,4 mil unidades do Minha Casa Minha Vida

Imóveis populares apresentam defeitos na construção

Constru_Logo_MinhaCasaMinhaVidaDefeitos em 56,4% das unidades vistoriadas, com falhas estruturais ainda no prazo de garantia, foram constatados pelo Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) ao avaliar a execução do programa habitacional Minha Casa Minha Vida. O levantamento englobou imóveis para beneficiários das faixas 2 e 3, financiados com recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). O objetivo foi verificar a regularidade dos contratos da Caixa Econômica Federal com as construtoras e os mutuários, o impacto no déficit habitacional estimado, a elegibilidade do público-alvo e o nível de satisfação dos beneficiários.

O relatório consolida dados de 77 empreendimentos ou contratos celebrados entre a Caixa e as construtoras, distribuídos em 12 estados (Bahia, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe). Foram vistoriados cerca de 30 contratos individuais de compradores em cada empreendimento escolhido. Os trabalhos de campo foram realizados em 2015, com a análise de 2.166 contratos e 1.472 unidades habitacionais de beneficiários que responderam à pesquisa de satisfação e foram contemplados nas fiscalizações da CGU.

Entre as principais falhas na construção foram, destaque para as infiltrações, falta de prumo (verticalidade de paredes e colunas) e de esquadros (se os planos medidos estão com ângulo reto), trincas e vazamentos. Quanto à área externa, menos de 20% dos moradores informaram situações de alagamento, iluminação deficiente e falta de pavimentação.

Apesar dos problemas apontados, foi positiva a satisfação dos entrevistados em relação aos imóveis: o nível foi considerado “alto” em 33,1% dos casos e “médio” em 47,2%. O resultado pode estar relacionado ao fato de a Caixa e as construtoras terem oferecido assistência e reparos às deteriorações dentro do prazo de garantia, que dependendo do item construtivo, pode ser de até cinco anos, conforme estabelecido no Código Civil.

O número de unidades habitacionais entregues pelo MCMV-FGTS não resultou em redução efetiva do déficit habitacional, mas contribuiu para conter seu avanço. Também foi observado que a estratégia adotada no planejamento das alocações de recursos entre as regiões sofreu desfiguração ao longo da implementação do Programa, o que gerou resultados positivos em alguns estados e insatisfatórios em outros, de acordo com as metas estipuladas.

Dentre as principais razões para a fiscalização do financiamento, está sua relevância no contexto econômico-social, pois garantiu o acesso da população de baixa renda à casa própria e viabilizou a geração de milhares de postos de trabalho. No período de 2009 a 2014, houve financiamento de R$ 225,5 bilhões para a construção/aquisição de quase 3 milhões de unidades habitacionais.