Edição 319Agosto 2021
Quinta, 23 De Setembro De 2021
Editorias

Publicado na Edição 318 Julho 2021

Fotos Divulgação

Túnel ou ponte entre Santos e Guarujá?

Túnel: audiências públicas debaterão a melhor solução

Túnel ou ponte entre Santos e Guarujá?

Dando continuidade ao debate sobre qual seria a melhor opção – túnel imerso ou ponte – para a ligação seca entre Santos e Guarujá, no litoral paulista, duas audiências públicas estão programadas para agosto. Ainda sem data definida, encontros visam consolidar cada uma das propostas, considerando que na última audiência pública realizada sobre o assunto, em 31 de maio, na Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados, em Brasília, o Diretor de Novas Outorgas do Ministério da Infraestrutura, Fábio Lavor, garantiu que a definição sobre a obra, ponte ou túnel, deverá acontecer entre agosto e setembro.

O movimento “Vou de Túnel”, encabeçado por um pool de engenheiros navais, empresas e associações, defende a solução do túnel por meio de uma PPP, parceria público privada. Entre as vantagens, o movimento cita que, em relação ao projeto da ponte, o túnel respeita a operação portuária e a mobilidade pública, pois contempla o trânsito de pedestres, ciclistas, ônibus e VLT. Também pró-túnel, a autoridade portuária do complexo, a Santos Port Authority (SPA), trabalha com a perspectiva de incluir a obra dentro do processo de privatização do porto, o que daria preferência a uma concessão patrocinada. A ligação já está contemplada no Plano de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto (PDZ). Os defensores do túnel alegam ainda que a opção seria mais econômica, com custo aproximado de R$ 3 bilhões. O “Vou de túnel” argumenta que o trajeto imerso sofreu adequações que reduzem o valor global do investimento, como, por exemplo, em desapropriações, conforme destaca o engenheiro Eduardo Lustoza, conselheiro da Associação de Engenheiros e Arquitetos de Santos (AEAS) e porta-voz do movimento.

Em defesa da ponte está o governo do estado. Entre os ajustes no projeto inicial da ponte está a mudança de vão para 750 metros, com altura de 85 metros a partir do nível do mar, o que não causaria interferência no acesso ao porto. A ponte tem custo de R$ 3,9 bilhões e seria viabilizada pela Ecorodovias, atualmente concessionária do sistema Anchieta-Imigrantes. O investimento da empresa envolveria a extensão do contrato por mais 30 anos para exploração do sistema, em vez de encerrar em 2026.

Ponte: projetos se ajustam para demonstrar vantagens

Responder