Edição 314Março 2021
Quinta, 15 De Abril De 2021
Editorias

Publicado na Edição 310 Novembro 2020

Divulgação

Fonoterapia após internação

Uma semana de intubação pode gerar problemas na voz

Fonoterapia após internação

Na esteira das complicações pós-Covid-19 diversas especialidades médicas passaram a olhar para outros problemas gerados, entre os quais, os relacionados à voz, em decorrência do processo de intubação muitas vezes necessário ao tratamento. Segundo a fonoaudióloga Bruna Rainho Rocha, do Hospital Paulista, na capital, sete dias de intubação podem ser suficientes para gerar complicações relacionadas à laringe.

A rouquidão é sintoma mais frequentes após a intubação do paciente e costuma ser temporária. Mas, há situações graves, que podem gerar fraqueza na voz. “As pregas vocais ficam localizadas na laringe, por onde passa o tubo orotraqueal para a intubação. A laringe é muito sensível e pode ser comprometida por inúmeras causas, desde trauma, por uma intubação de emergência ou de difícil exposição, até por um tempo longo de permanência da cânula em contato com a mucosa da laringe”. Para pacientes que passaram muito tempo intubados é indicada a fonoterapia para adequação da qualidade vocal. Nestes casos, é importante recorrer inicialmente a um otorrinolaringologista, que realizará o diagnóstico do problema e o fonoaudiólogo definirá a melhor conduta para cada caso.

Outro problema é a fadiga vocal, com prejuízos na fala, devido ao uso de máscara – necessária desde o início da pandemia. “As máscaras de proteção contra doenças podem atenuar o som da fala em até 12 decibéis, dependendo do tipo”.

Responder