Edição 327Abril 2022
Terça, 17 De Maio De 2022
Editorias

Publicado na Edição 325 Fevereiro 2022

Divulgação

Exame de retina prevê infarto

Diagnóstico analisa os vasos da retina

Exame de retina prevê infarto

Mediante a utilização de inteligência artificial (IA) é possível antecipar em um ano o diagnóstico de infarto, a maior causa de mortes no mundo. O estudo foi divulgado pela revista científica Nature e, segundo explicou o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto, do Instituto Penido Burnier, o exame de fundo de olho é capaz de detectar doenças sistêmicas através de alterações nos vasos da retina: “Em tempo de pandemia o consultório oftalmológico é a porta de entrada para um check-up com menor risco de contrair Covid-19. Podemos dizer sem exagero que os olhos são a janela do corpo”. O especialista frisa que os vasos da retina também indicam diabetes, hipertensão arterial e outras alterações vasculares que estão diretamente relacionas à saúde do coração.

O sistema que adota a IA foi desenvolvido no Reino Unido e faz uma análise mais profunda da saúde vascular por meio de uma complexa combinação de algoritmos. Queiroz Neto afirma que o novo sistema dá um salto de qualidade na preservação da vida por um custo menor. Isto porque antecipa o risco de infarto pelo tamanho e eficiência de bombeamento do ventrículo esquerdo. Até hoje estas alterações cardíacas são diagnosticadas por ressonância magnética ou ecocardiograma, que têm um custo mais elevado que o exame de fundo de olho.

Ele ressalta que, embora o exame de fundo de olho tradicional permita mapear todo nosso organismo, ele não é preventivo. Isto porque faz o diagnóstico de doenças já instaladas, entre elas, a hipertensão arterial, diabetes, doenças reumáticas, tuberculose, toxoplasmose, lepra, Aids, e até tumores intracranianos: “Para ser realizado instilamos um colírio no olho do paciente para dilatar a pupila e usamos um oftalmoscópio, lente com capacidade de aumentar diversas vezes o nervo óptico, retina e vasos. Por isso, conseguimos prever o risco de retinopatia em diabéticos, bem como as frequentes alterações nos rins para orientarmos o paciente sobre tratamentos”.

Responder