Edição 327Abril 2022
Terça, 17 De Maio De 2022
Editorias

Publicado na Edição 323 Dezembro 2021

Atenção ao risco de trombose

A retomada do turismo requer atenção para o risco de trombose devido ao longo período que se passa sentado no trajeto. Ela ocorre quando há formação de um coágulo sanguíneo em uma ou mais veias das pernas e coxas que bloqueia o fluxo de sangue e causa inchaço e dor na região. “A velocidade do fluxo sanguíneo diminui dentro da veia quando ficamos muito tempo parados. E isso contribui para o surgimento da Trombose Venosa Profunda (TVP)”, explica o cardiologista Ricardo Casalino, diretor Médico da operadora Qsaúde: “O problema fica maior quando o coágulo se desprende e se movimenta pela corrente sanguínea, processo chamado de embolia, que pode levar a alteração de perfusão pulmonar, levando em casos extremos ao óbito”.

O médico reforça que, além das viagens de avião, a trombose venosa pode acontecer também em outros meios de transporte, dependendo do longo tempo parado na mesma posição. De acordo com pesquisa publicada pela National Library of Medicine, o risco de ter TVP aumenta 18% a cada duas horas de viagem.

A TVP é mais comum após os 40 anos de idade, havendo aumento exponencial com a idade. Assim, entre 25 e 35 anos a incidência de TEV é de cerca de 30 casos/100.000 pessoas ao ano. Entre 70 a 79 anos essa incidência chega a 300-500 casos/100.000 pessoas ao ano. “É possível prevenir a trombose a partir de uma melhora na qualidade de vida relacionada ao controle adequado de peso, e do tabagismo, ou seja, prevenir a obesidade, e manter uma atividade física diária”, afirma Casalino.

Para o acompanhamento contínuo, os clientes da Qsaúde contam com os médicos de família. Esses profissionais fazem, junto da equipe de saúde da operadora, o monitoramento de condições já existentes e direcionam para os melhores hábitos de vida para promover saúde e prevenir doenças.

Responder